Postado em 04 de Setembro de 2018 às 16h23

Fausto dos Santos, autor da Argos, participa de Coloquio Binacional

Notícias em destaque (316)

O I Coloquio Binacional de Filosofía y Educación “La idea de maestro en la tradución filosófico-educativa”  acontece nos dias 19, 20 e 21 de setembro e nas últimas semanas conversamos com o professor Fausto dos Santos para conhecer um pouco mais sobre o evento e o que podemos esperar do colóquio, que propõe debater temas importantes para filosofia nacional e internacional.

Fausto é autor de várias obras publicadas pela Argos (para verificar as obras, acesse nosso site http://www.editoraargos.com.br/) e durante o colóquio ele estará apresentando um de seus trabalhos, intitulado “O que será que ensinamos quando lecionamos Filosofia?”. Segundo Fausto, o trabalho fala “sobre as possibilidades de ensino da Filosofia, questionando, inclusive, se ela é de fato algo que possa ser ensinado para além do registro historiográfico. Pois, mesmo que aprendamos as diversas filosofias historicamente constituídas, isso não significa, garantindo, que, de fato, filosofamos.”

1) Quais contribuições o colóquio pode trazer para o seu trabalho e as suas pesquisas?

O I Coloquio Binacional de Filosofia y Educación é uma iniciativa da Rede SUR PAIDEIA de Investigação, criada este ano por um grupo de professores do Brasil – inclusive da UNOCHAPECÓ – e do Uruguay, que pretende expandir suas atividades para toda América Latina, buscando fomentar o intercâmbio entre pesquisadores da nossa região, tendo como campo de estudo a interface entre Filosofia e Educação. Assim, a grande contribuição que o Colóquio pode trazer para o meu trabalho e para a minha pesquisa é a possibilidade de fortalecer, consolidando, o nosso Grupo de Investigação. O que, certamente, ampliará os horizontes de interlocução entre os diversos participantes, trazendo a perspectiva de inserir o meu trabalho no rol mais amplo das pesquisas realizadas na América Latina.

2) Quais são suas expectativas em relação ao evento (temas e presenças confirmadas)?

Participando do evento espero compreender melhor quais são as grandes questões que animam os pesquisadores da América Latina a partir dos temas que serão debatidos em torno das diversas concepções filosóficas desenvolvidas ao longo da História sobre o ofício do professor. Eu, pessoalmente, me interesso, sobretudo, pelas questões epistemológicas e éticas que envolvem o ensino e a aprendizagem. Tendo isso em vista, estou curioso para ver as contribuições dos participantes do evento, dentre elas destaco a Conferência Inaugural “Metáforas do Ensinar”, que será proferida pela Dra. Nadja Hermann (UFRGS) e as falas das Professoras Dra. Andrea Diaz (UDELAR), Dra. Lucia Hardt (UFSC), Dra. Rosana Moura (UFSC), Dra. Neiva Oliveira (UFPel), bem como a participação do Professor Dr. Avelino Oliveira (UFPel).

3) Como você acredita que o evento trará novas perspectivas para a educação tradicional filosófica?

Quer para assumir a tradição, quer para negá-la, é preciso antes de qualquer coisa compreendê-la. Para nós, latino-americanos, é fundamental perceber o caráter reprodutor e exógeno a partir do qual pensamos a nós mesmos, inclusive, as questões relativas à Educação. É evidente que não podemos apagar a história, como quem deseja não levá-la em consideração, somos colonizados e não podemos denegar esse fato. Antes pelo contrário, é a partir dele que podemos desenvolver um pensamento apropriado à nossa situação. Pois, se a Educação conflui decisivamente para a constituição de um povo, devemos pensar como, levando em conta as nossas idiossincrasias, podemos nos inserir no contexto mundial visando a nossa autonomia. Portanto, é isso que espero do I Coloquio Binacional de Filosofia y Educación, que, a partir do nosso próprio estômago, possamos digerir a tradição.

Veja também

Livro da Editora Argos recebe prêmio da Academia Brasileira de Letras20/11/19 Seja em prosa ou verso, ficção ou realidade, a literatura é, sem dúvidas, a melhor maneira de conhecer outros lugares. Essa arte nos permite viver outras vidas e aprender mais sobre a história de nossa sociedade através das narrativas de diversos autores. Por isso, nada mais justo do que homenagear quem estuda a arte das histórias há quase cinco décadas.......

Voltar para Notícias