Postado em 24 de Maio de 2019 às 16h20

“Região, sociedade e ambiente”

Notícias em destaque (318)

As organizadoras desta obra trazem um grande avanço para o conhecimento científico sobre as questões enfrentadas em relação ao modelo econômico em que vivemos. Através de perspectivas ecológicas e ambientais, a obra tem como missão gerar conhecimento da agricultura regional e tornar-se um fórum permanente de discussões em relação às questões socioambientais.

Entendemos que a região possui grande representatividade no País na área da exportação de aves e suínos, tornando a agroindústria a maior geradora de número de empregos, ou seja, a economia na região gira em torno disso.

A obra busca uma reflexão sobre os problemas sociais, ambientais, políticos e econômicos da região, e principalmente os problemas causados pela extração de recursos naturais, da contaminação do solo e da água, da agroindustrialização, da urbanização, implantação de hidrelétricas de grande e pequeno porte e todos os reflexos que isso gera na nossa biodiversidade.


Sobre as organizadoras

Gilza Maria de Souza-Franco: doutora em Ecologia de Ambiente Aquáticos Continentais na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais (UEM). Graduada em Ciências Biológicas (UEM). Docente na Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó), com atuação no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. 

Arlene Renk: graduou-se em Letras pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), cursou mestrado e doutorado em Antropologia Social no Museu Nacional/UFRJ. Está voltada à educação atuando no ensino superior e no mestrado de Ciências Ambientais da Unochapecó. Estuda questões de territorialidade, da mudança social na qual passa o meio rural e danos ambientais. O leitmotiv de seus estudos têm sido os múltiplos olhares que constituem a região do oeste catarinense e a identidade performática assumida.

Veja também

“Antes do oeste catarinense”06/10/16 Desde as publicações mais antigas até a década de 1990, a maior parte do que vinha sendo produzido voltava-se para o estudo de sociedades pré-coloniais que viveram no litoral. Essa situação começa a se reverter. Pesquisas fortaleceram-se também no oeste, a partir da criação do Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (CEOM) e,......

Voltar para Notícias