Postado em 21 de Maio de 2019 às 16h20

“Formação humana na sociedade do espetáculo”

Notícias em destaque (318)

A obra “Formação humana na sociedade do espetáculo”, lançamento da Argos em parceria com a Editora da Unesc, esclarece uma ideia de cruzamento entre os aspectos fundamentais da educação e a sociedade do espetáculo, apresentada por Guy Debord, a retratar o episódio de maio de 1968.

A obra está dividida em três partes temáticas. A primeira parte do livro, intitulada “‘Não nos prendamos ao espetáculo da contestação, mas passemos à contestação do espetáculo’: Guy Debord, maio de 68 e a sociedade do espetáculo”, propõe-se a discussão sobre o lugar da figura de Debord no contexto de maio de 1968, bem como, o legado e a atualidade do livro “A sociedade do espetáculo” (1967) passados cinquenta anos desde sua publicação. A segunda parte, “‘A ação não deve ser uma reação, mas uma criação’: Educação, mercadoria e heróis espetaculares”, busca investigar a potência crítica da educação e o que significa falar em formação humana quando ela se inferioriza à crescente espetacularização e mercantilização dos espaços e processos educativos e formativos. A terceira e última parte, “‘Corram, camaradas, o velho mundo está atrás de vocês’: Espetáculo, literatura, bem-estar e morte”, aborda a relação entre os estudos literários e a sociedade da imagem e do espetáculo, passando também por uma “teoria da burrice” e por reflexões acerca da didática da história.

Organizada pelos docentes André Cechinel e Rafael Rodrigo Mueller, esta obra tem como objetivo central questionar a “formação humana” com base nos principais fundamentos da nossa educação e os modelos culturais e formativos impostos sob ares pseudodemocráticos, motivando o leitor a sair de sua zona de conforto.

 

Sobre os organizadores

André Cechinel: doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Atua nas seguintes áreas de pesquisa: Educação e ensino de literatura, Literaturas estrangeiras modernas, Teoria literária e literatura comparada. Além de outras obras, é autor do estudo “O referente errante: The Waste Land e sua máquina de teses” (Argos; Ediunesc, 2018), sobre o poema de T.S. Eliot.

Rafael Rodrigo Mueller: mestre e doutor em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGE/UFSC) e professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Atua principalmente nos seguintes campos de estudo: Trabalho, Tecnologia e Educação (TTE); Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS); e Estudos Organizacionais e Críticos.

Veja também

“Atrás dos olhos pardos: uma leitura da poesia de Ana Cristina Cesar”07/06/18 Na obra “Atrás dos olhos pardos: uma leitura da poesia de Ana Cristina Cesar”, publicada pela Argos Editora da Unochapecó, Maria Lucia de Barros Camargo analisa as poesias de Ana Cristina Cesar, uma das escritoras mais significativas no quadro da literatura brasileira contemporânea. Maria Lucia afirma que as poesias continuam válidas e podem contribuir para futuros e......
V Jornadas Pedagógicas de Língua Portuguesa01/11/18 A professora da Unochapecó e coordenadora da Editora Argos, Rosane Silveira, participou da quinta edição das Jornadas Pedagógicas de Língua Portuguesa, na Finlândia. O evento foi realizado na Universidade de Helsinque.......

Voltar para Notícias