Postado em 24 de Março de 2017 às 16h23

Editora Argos lança livros sobre a história da região

Notícias em destaque (318)

Conhecer a história do local onde se está inserido nos possibilita resgatar e preservar a tradição de quem viveu antes de nós. É uma oportunidade de compreender alguns motivos da nossa era. Contribuindo para esse processo, a Argos Editora da Unochapecó lançou em 2017 duas obras que relatam fatos históricos, conflitos sociais e abordagens políticas que fizeram parte da realidade da população do Oeste Catarinense.

Intitulados “Os sinos se dobram por Alfredo", escrito por Paulino Eidt, e “Da cidade Santa à corte celeste: memórias de sertanejos e a Guerra do Contestado”, com autoria de Delmir José Valentini, os livros fazem parte da coleção Regionais. Abordando recortes da história da região, os exemplares destinam-se a um público variado, incluindo os próprios pesquisadores, as pessoas que fazem parte dessas histórias e aqueles que têm interesse em conhecer a região.

Em 25 anos de existência, a Argos possui mais de 280 obras publicadas. Segundo a coordenadora, professora Rosane Silveira, a Argos se destaca nesse meio por ser uma das editoras universitárias que mais publica sobre a sua região. Os dois recentes livros integram uma comemoração programada para marcar os 25 anos da editora.

As obras

O livro “Os sinos se dobram por Alfredo” apresenta a teia de relações culturais, econômicas e sociais que teceram a vida dos alemães do projeto Porto Novo (atualmente, os municípios de Itapiranga, São João do Oeste e Tunápolis), fundado pela Companhia de Jesus em 1926, no extremo-oeste de Santa Catarina. Essa história foi reconstruída com a criação de um personagem fictício chamado Alfredo. A narrativa mescla ficção e realidade, na tentativa de tornar mais vivas os relatos e fatos históricos da época.

Já a obra “Da cidade Santa à corte celeste: memórias de sertanejos e a Guerra do Contestado” aborda antigos moradores dos redutos que relataram as experiências pelas quais passaram. Esteve impressa nos sertanejos, a partir dos seus depoimentos, a culpa pelo derramamento de sangue que envolveu a população da região do Contestado no início do século XX. Decorridos quase vinte anos da primeira edição deste livro, a pesquisa histórica avançou e uma quarta edição desta obra reveste-se de significado singular, exatamente no ano em que a Guerra do Contestado fecha o ciclo do seu centenário (1912-1916 / 2012-2016). Ambas os livros estiveram em processo de editoração durante o ano de 2016.

Veja também

“Literatura do Presente: história e anacronismo dos textos”21/11/16 A obra “Literatura do Presente: história e anacronismo dos textos” propõe a leitura da Literatura das últimas décadas a partir do modo como recoloca em cena os problemas do conhecimento e da experiência na literatura reformulados pela modernidade e, num certo sentido, abandonados pelo modernismo.Para isso, a autora Susana Scramim faz a leitura de obras de autores como......

Voltar para Notícias