Postado em 10 de Junho de 2016 às 16h24

Obra sobre colonização italiana no oeste

Notícias em destaque (318)

A publicação é resultado de dois anos de pesquisa de campo, na qual a autora procurou compreender o quadro em que se desenvolveram as relações dos italianos de Santa Catarina com os italianos radicados na Europa na década de 1990. Ivone buscou estabelecer paralelo entre a “globalização” e a “etnicidade”, tendo como objeto de estudo as práticas desenvolvidas pelos descendentes de imigrantes italianos na região.
A autora Ivone Bigolin Siviero analisa historicamente a trajetória dos descendentes de imigrantes italianos no oeste a partir do deslocamento da Itália, em 1865. Objetivou compreender os diferentes modos de pensar, agir e reagir, em vários momentos da trajetória desses imigrantes, para analisar a razão do acirramento dos vínculos regionalistas na década de 1990.

Sentimento de italianidade

O livro é uma narrativa das intenções e realizações dos encontros de famílias, que são mediados por um “sentimento de italianidade”, sentimento este que constitui o principal elemento demarcador da identidade do grupo. A autora relata como se processa a construção dessa identidade, enfocando a recuperação das histórias familiares com raízes na Europa com a respectiva construção de suas “árvores genealógicas”. Ivone Bigolin Siviero aborda, ainda, através do relato de viagens à Itália realizadas por parcela significativa de descendentes de imigrantes italianos do oeste catarinense, as reações surgidas nos encontros dos descendentes de imigrantes italianos do Brasil, os “brasiliani”, e os “italiani”, da Itália.

Veja também

Aniversário com 50% de desconto23/08/18 Chapecó, de 1917 até 1953, possuía uma extensão de mais de 14 mil quilômetros quadrados. O vasto território do município tinha início no rio Irani, ao sul fazia divisa com o Rio Grande do Sul, ao norte com o Paraná e a oeste com a província de Misiones, da República Argentina. A ocupação dessa região dentro dos......
Leitura Virtual19/02/19 O início do ano geralmente é pouco movimentado para as editoras universitárias. Como muitas das instituições das quais fazem parte estão em um período de recesso, nem sempre há muitos livros sendo......

Voltar para Notícias