Postado em 06 de Junho de 2019 às 16h22

Autores lançam obras durante o 3º Seminário de Educação, Conhecimento e Processos Educativos

Notícias em destaque (316)

No dia 21 de maio aconteceu o lançamento das obras “Educação e experiência estética: desencantamento do conceito educativo” e “Formação humana na sociedade do espetáculo”, ambas lançadas em parceria da Argos com a Editora da Unesc. O evento de lançamento ocorreu durante a abertura do 3º Seminário de Educação, Conhecimento e Processos Educativos, que ocorreu nos dias 21 a 23 de maio na Unesc, em Criciúma (SC). Durante a abertura, os autores lançaram as obras e realizaram uma breve explanação sobre a publicação. Após os lançamentos, o evento contou com a mesa-redonda sobre Conservadorismo Moral e Educação Falibilista, com o professor doutor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Claudio Dalbosco. O evento reuniu professores, acadêmicos e pesquisadores de todo o País.

O livro “Educação e experiência estética: desencantamento do conceito educativo”, de autoria do professor doutor Alex Sander da Silva, é uma adaptação da sua tese de doutorado, que aborda o encontro entre educação e filosofia, a fim de demonstrar que a filosofia está ao alcance de todos, estando bem próxima aos nossos interesses cotidianos, sendo muito mais familiar do que pensamos. E quando falamos da relação entre filosofia e educação, isso não é diferente. Este livro quer buscar um elo produtivo dos desafios diários como educadores e da experiência formativa nesse encontro entre educação e filosofia. E podemos iniciar este encontro a partir de uma pergunta fundamental: o que é educação? Esta é uma pergunta que resiste a respostas uniformes, unívocas e predeterminadas. Mesmo assim, pensar sobre a educação ainda nos mobiliza a reflexão sobre o sentido do “educar” no mundo contemporâneo.

Já o livro “Formação humana na sociedade do espetáculo” é organizado pelos professores doutores André Cechinel e Rafael Rodrigo Mueller, que reuniram um conjunto de textos capazes de questionar aspectos fundamentais do funcionamento do nosso mundo educacional e de arrancar cada leitor da sua zona de conforto. Guy Debord foi um homem extraordinário, com um profundo respeito pela vida ordinária. A releitura de sua obra produz estupefação: como foi possível a um homem mergulhado no seu tempo ver com tanta clareza as estruturas do sistema e as suas contradições? O que revela profundamente Debord? Que a “sociedade não canta os homens e suas armas, mas as mercadorias e suas paixões”. Este livro desvela engrenagens. A sala de aula não pode se transformar numa mercadoria regida pela lógica do espetáculo para o qual não existe aluno, mas cliente ou consumidor. Contestar o espetáculo hoje não significa necessariamente negar o prazer da cultura de massa. Implica, porém, uma visão de mundo que não se conforme com a falsa unificação das consciências. Este livro coeso, certamente, ajudará a compreender os desdobramentos do espetacular no último meio século. Debord vive. E nós? Vivemos diretamente ou sucumbimos ao simulacro da representação?


Veja também

“A comunicação de mercado em redes virtuais”01/07/16 “A comunicação de mercado em redes virtuais”, com organização de Daniel dos Santos Galindo, é uma obra que apresenta discussão tridimensional sobre uma mesma realidade: as novas ambiências sociotecnológicas que atuam sobre as organizações e suas práticas de trocas com o mercado. A inclusão do termo tridimensional é......
“Dizer o que não se deixa dizer”08/07/16 Revitalizar – esta é a palavra-chave da leitura de “Dizer o que não se deixa dizer”, de Rodrigo Duarte. Os seis textos do livro, dos quais três são inéditos em língua portuguesa, adquirem nova vida......

Voltar para Notícias