Postado em 11 de Maio de 2016 às 16h24

Leitura e literatura em textos de grandes autores latino-americanos

Notícias em destaque (318)

Os livros da coleção Vozes Vizinhas, generosamente escolhidos e editados por Raúl Antelo e Maria Lucia de Barros Camargo, coordenadores da coleção, colocaram em circulação no Brasil autores importantíssimos, como Daniel Link, Josefina Ludmer, Graciela Montaldo e Sylvia Molloy. A questão da leitura atravessa todas as obras e, mais do que isso, cada um desses livros propõe e debate um modo de ler a literatura e a cultura, como em Daniel Link, por exemplo, em que a leitura aparece como a “correlação de séries de sentido, uma que vem do objeto e outra que vem do sujeito”, ou da leitura como mediação, como vemos no início do texto da Sylvia Molloy, da leitura como avanços e recuos para pensar o gênero gauchesco, como está na estrutura do livro de Josefina Ludmer, ou da leitura como “imaginação territorial” (nas palavras de Ludmer), como aparece em Graciela Montaldo.

Como se lê e outras intervenções críticas, de Daniel Link

Os escritos de Link mostram a originalidade de um olhar e de um tom. Moderno pós-moderno, vanguardista nos meios de comunicação e na universidade, seus ensaios são, antes de mais nada, a prova de que a crítica literária deve tomar caminhos laterais para chegar ao centro Foucault, ao centro Borges e ali assinalar aquilo que ainda não se vira. Seu trabalho sobre os gêneros recusa os regimentos de uma teoria canônica, porque tem a força de uma irregularidade inassimilável. A literatura e os estudos culturais não são, para Link, páginas de um atlas acadêmico, mas espaços onde se testa o conflito dos sentidos na sociedade contemporânea. Link escuta o presente restituindo-lhe à crítica um de seus (poucos) sentidos possíveis. (Beatriz Sarlo).

Gênero gauchesco um tratado sobre a pátria, de Josefina Ludmer

Nesta obra, Josefina Ludmer entra em contato com um outro universo verbal, sonoro, o gênero gauchesco, cuja a substância é a relação entre vozes ouvidas e palavras escritas. A autora utilizou os tons de vozes e posições do sotaque gaúcho para escrever este livro, onde as palavras são conceitos que estão em contato permanente.

A propriedade da cultura: ensaios críticos sobre a literatura e indústria cultural na América Latina, de Graciela Montaldo

Segundo Josefina Ludmer, pode ser reconhecida nesta antologia de ensaios de Graciela Montaldo, doutora em Letras pela Universidad de Buenos Aires, “uma das escrituras críticas do presente na América Latina”. A crítica da autora descarta “toda a estética e toda a fetichização da literatura; pensa em sua materialidade, nos suportes concretos do livro, na indústria literária e cultural, as editoras e as revistas. Também descarta binarismos e oposições como vanguardismo e literatura social. É, ao mesmo tempo, erudita, informativa e leve”. O desejo da autora é sair do confinamento nacional ou literário e sair, ainda, do confinamento no cânone: são lidos textos clássicos como “Fecundo”, “La cautiva" ou os de Rubén Darío, e até mesmo os de Enrique Gómez Carrillo e Jules Supervielle.”

Vale o escrito a escrita autobiográfica na américa hispânica, de Sylvia Moloy

Trata-se de um notável estudo sobre a autobiografia na América espanhola, escrito pela estudiosa argentina Sylvia Molloy, que se detém sob a leitura do significado dos extravios derota, de responsabilidade dos grandes escritores hispano-americanos. Molloy é professora catedrática na área de humanidades da Universidade de New York. Tradução de Antonio Carlos Santos.

Veja também

“Educação jurídica, relações internacionais e cidadania ecológica”21/12/17 A obra traz as principais produções do núcleo Stricto Sensu do curso de Direito da Unochapecó, e abrange a teoria jurídica contemporânea. São 12 artigos científicos organizados pelos professores Giovanni Olsson, Marcelo Markus Teixeira, Regina Perreira e Silvana Winckler.O livro aborda diversos temas recorrentes na sociedade contemporânea, enfrentando......
Autora da Argos recebe título de Professora Emérita04/06/19 Neste dia 4 de junho de 2019, a autora da Argos e professora Andrea Daher será homenageada com o título de Professora Emérita, concedido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O evento acontece no Salão Nobre da UFRJ e......

Voltar para Notícias