Postado em 10 de Outubro de 2016 às 16h10

“Discurso citado e memória”

Notícias em destaque (318)

Henrique Evaldo Janzen



Acredito que duas palavras-chave nos ajudam a mergulhar neste livro. São elas: alteridade e memória. Este é um livro, sem dúvida, sobre o outro como constitutivo do sujeito e sobre como esse outro está presente e é construído nas suas memórias. Quando falamos no outro, podemos estar nos referindo, muitas vezes, às vozes ocultas ou ocultadas orientando a construção das narrativas que emprestam significado às nossas lembranças. Neste sentido, o ponto de vista do narrador – aqui em uma compreensão ampla, afinal, somos todos um pouco narradores – faz variar a memória, modificando narrativas aparentemente consolidadas, reelaborando julgamentos, questionando valores de outros tempos, ajustando ações do passado com olhar do presente.

Em um feliz encontro vocal entre o ensaísta e o professor, o autor, com mão segura, conduz o leitor, a partir de pressupostos do Círculo de Bakhtin sobre o discurso citado, para uma reflexão sobre as mais diversas formas de apropriação da voz do outro, ampliando as fronteiras epistemológicas no tocante às diversas maneiras de citação da palavra alheia. Gilberto de Castro assinala – e esse aspecto me parece central no livro – que a mobilização dessas vozes é estruturante na formação de nossa visão de mundo (Weltanschauung). Como indica o próprio autor na Introdução, este livro é marcado por escolhas que envolvem o seu universo afetivo – principalmente – na sua formação como leitor. Neste sentido, o autor organiza com maturidade intelectual um diálogo entre Bakhtin e Graciliano Ramos.

Se na primeira parte do livro o autor está mais voltado para questões teóricas vinculadas aos estudos linguísticos, na segunda parte, a partir da reflexão em torno do discurso citado, Castro rastreia – nos romances “Infância” e “São Bernardo” duas obras de Graciliano narrados em primeira pessoa – os modos como o autor alagoano dá voz às outras personagens. Ao trazer para suas análises a visão de polifonia bakhtinana, Castro faz emergir a perspectiva de que (quase) toda a narrativa, nos dois romances, encontra-se monopolizada pela visão do autor-narrador (Infância) e pelo narrador (São Bernardo).

A partir das análises desses romances, Castro nos auxilia na observação das palavras do outro nas nossas próprias palavras e instiga promissoras discussões tanto na área de Estudos Linguísticos, quanto na área de Estudos Literários.

Veja também

Argos lança reedição do livro “Chapecó 100 anos: histórias plurais”16/08/18 A obra “Chapecó 100 anos: histórias plurais” vai receber sua 2º edição no ano de 2018. A obra foi contemplada com o Edital Municipal de Fomento e Circulação das Linguagens Artísticas do município de Chapecó 2018 e será distribuída nas escolas da cidade. Sobre a obra  Um município centenário como......
Promoção especial de aniversário da Argos19/04/18 No mês de abril é comemorado o Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor, mas, para a Unochapecó, este mês tem mais um significado especial. A Argos Editora da Unochapecó completa 26 anos de atuação no mercado......

Voltar para Notícias