Postado em 27 de Julho de 2018 às 16h22

Argos lança duas obras durante a ABRALIC 2018

Notícias em destaque (318)

Durante os dias 30 de julho a 3 de agosto acontece, no campus da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Uberlândia (MG), a edição 2018 do Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC). Com o tema “Circulação, tramas e sentidos na Literatura”, a proposta do evento é reunir nomes da pesquisa e da literatura nacionais e internacionais para debate.

A Editora Argos realizará o lançamento de duas obras durante a edição deste ano. “Leituras desauratizadas. Ensaios provisórios, tempos precários”, do autor João Cezar de Castro Rocha, organizada por Valdir Prigol, será lançada no dia 30 de julho, às 20h, no Saguão da Biblioteca. “E a literatura, hoje? Estudos de crítica, história e teoria literárias”, do autor Roberto Acízelo de Souza, será lançada dia 1º de agosto, às 18h30, no Saguão da Biblioteca.

 

Sobre as obras

“E a literatura hoje? Estudos de crítica, história e teoria literárias”: a obra trata, segundo o autor, de “[...] questões literárias e sócio-político-culturais da atualidade – como o lugar da literatura e das humanidades na era da diversidade”. Trata também de “[...] problemas históricos, como as concepções de romances anteriores à consolidação do formato moderno do gênero.” A obra reúne alguns ensaios e entrevistas que abordam a perspectiva diversificada dos objetos estudados. A maioria dos textos foi elaborada entre 2014 e 2016, exceto um de 2008 e outros dois de 2011. Dois ensaios que compõem a obra são inéditos, outros textos apresentados já foram publicados em edições anteriores, porém, na presente obra foram retocados e atualizados.

“Leituras desauratizadas. Ensaios provisórios, tempos precários”: Segundo o autor, o livro reúne textos que publicou nos últimos quatro anos sobre as leituras do mundo contemporâneo, sempre procurando entender os processos produtivos da nossa sociedade. “Atualmente vivemos uma situação difícil, onde é preciso transformar a precariedade cultural em estímulo intelectual”, afirma. João Cezar expõe nesse livro uma visão diferente para como se lê, a exemplo de obras anteriores, como em “Uma esquizofrenia produtiva: da prática a teoria”, que traz o sentido de que a leitura depende do leitor e a relação que ele faz com textos para haver uma compreensão. Os textos partem do princípio de olhar os outros lendo, para mudarmos nossos hábitos, assim como abordam acerca da posição da leitura e dos gestos de todo leitor diante de um texto. Os textos são originalmente vindos do jornal Rascunho, no qual o autor escrevia, mantendo o hábito do jornalismo cultural, e o resultado disso é o livro que dá um bom vislumbre de si próprio, para repensar hábitos e compreender de melhor forma textos e outros escritos.

Veja também

“Cinema na universidade: possibilidades, diálogos e diferenças”06/10/16 Este trabalho, organizado por Noeli Gemelli Reali, resulta de um universo diversificado de parcerias, trabalhos, estudos e experimentos “com o cinema”. Uma das razões da origem desta obra é o fato do cinema compor uma das mais vigorosas e complexas formas de dizer o mundo, de codificá-lo. Outro motivo foi o projeto Cinema na Universidade, que existiu na Unochapecó de 1998 a......
“Cinema, globalização e interculturalidade”26/07/16 A partir da década de 1990, os processos de globalização contribuíram para cada vez problematizar um cinema pensado exclusivamente a partir de uma cultura nacional ou dualidades como Primeiro e Terceiro Mundos. O desafio que se......
Coleção Debates17/10/17 Essa coleção traz temas que, dentro do cenário nacional, causam debates e opiniões diferentes. As obras vêm com essa premissa de mostrar temas que necessitam de algum tipo de debate e formação própria de......

Voltar para Notícias